Blog

Lombociatalgia? Causas, Diagnóstico e Tratamento

Lombociatalgia? Causas, Diagnóstico e Tratamento

A lombociatalgia é uma dor que inicia-se na região lombar e se irradia para glúteos e região posterior da coxa, seguindo o trajeto do nervo ciático.

Muitas pessoas acreditam que lombalgia e lombociatalgia são termos iguais, mas não são. Um é mais geral, já o outro termo é mais específico sobre o que causa o quadro doloroso.

Qual é a diferença entre lombalgia e lombociatalgia?

É importante diferenciar lombociatalgia de lombalgia, uma vez que nem todas as dores na região lombar são lombociatalgia.

A diferença entre esses dois quadros é que a lombalgia é apenas a dor na região lombar, que pode ser causada por diversos fatores, mas a lombociatalgia é a dor na região causada pela compressão do nervo ciático.

Mas, nem todas as dores na região lombar tem comprometimento do nervo ciático, por isso a diferença entre os termos.

Sintomas de lombociatalgia

Os sintomas de lombociatalgia geralmente envolvem dor na região lombar, que pode se estender durante o trajeto do nervo ciático.

De fato, o nervo ciático é um nervo muito importante ao organismo. Ele tem origem na região lombar, passa pela região dos glúteos, parte posterior da coxa, perna e vai até o pé.

Além da dor, também podem estar presentes sintomas de formigamento na região, choque e perda da força na perna e no pé.

Causas

Existem várias causas para compressão do nervo ciático, que levam à lombociatalgia.

1 – Hérnia de disco

A hérnia de disco é um quadro que acomete a coluna vertebral.

As vértebras são separadas entre si pelos discos intervertebrais, os quais possuem um posicionamento correto na coluna vertebral. Os discos são fundamentais para a absorção do impacto que a coluna vertebral recebe constantemente.

Porém, com o envelhecimento e outros fatores, os discos podem sofrer desidratação ou saírem de sua posição ideal.

Quando o disco apenas se desloca, mas não é rompido, temos o quadro denominado protrusão discal.

Já quando o núcleo pulposo do disco é afetado, temos a formação de uma hérnia de disco.

As regiões da coluna vertebral que mais sofrem com hérnia de disco são as regiões de maior mobilidade, justamente as áreas lombar e cervical.

Quando há uma hérnia de disco na região lombar, isso pode levar à compressão do nervo ciático no local. Dessa forma, tem-se a dor irradiada durante o trajeto do nervo.

​2 – Estenose do canal vertebral

O estreitamento do canal vertebral é denominado estenose e isso pode ocorrer na região lombar. Isso pode acometer indivíduos desde o seu nascimento (causas congênitas), ou com o envelhecimento.

Com esse estreitamento, o nervo ciático também pode sofrer compressão, levando à lombociatalgia.

Dependendo do local exato onde ocorre a estenose, os sintomas apresentados pelo paciente podem variar.

Assim, quando a estenose ocorre lateralmente, o paciente apresenta sintomas bem parecidos com hérnia de disco.

Por outro lado, quando a estenose é central, o paciente apresenta dor na região dos glúteos, sensação de peso nas pernas e que piora ao caminhar, mas melhora sentado.

​ 3 – Espondilolistese

Quadro quando há escorregamento de uma vértebra sobre a vértebra localizada imediatamente abaixo.

É uma condição que afeta pessoas mais velhas, na altura dos 60 anos de idade, mas também pode afetar crianças. No caso das crianças, a preocupação é maior por poder ter caráter progressivo.

​ 4 – Outras causas

Existem outros fatores que podem causar a compressão do nervo ciático.
Dentre eles, podemos citar trauma na região ou tumores.

No caso específico das mulheres, problemas ginecológicos podem gerar lombociatalgia.

Podem ocorrer depósitos de tecido do endométrio após o período menstrual. Além disso, cistos ovarianos grandes ou o aumento do útero em função de uma gestação tardia podem levar à compressão do nervo ciático.

De fato, não é incomum uma mulher ter lombociatalgia após o parto, sobretudo se a mulher teve um trabalho de parto longo.

Quando ocorrem fraturas na região, embora raros são os casos do nervo ciático poder, inclusive ser rompido, dependendo da gravidade da fratura e nesses casos, o encaminhamento cirúrgico é o mais adequado.

Dessa forma, é essencial buscar diagnóstico médico adequado caso você apresente dor persistente na região.

Diagnóstico

Para o diagnóstico de lombociatalgia, é essencial consultar um fisioterapeuta especialista em coluna.

O profissional colherá informações sobre o paciente, tal como a história dos sintomas, se o paciente sente que melhora ou piora com a execução de alguma atividade, por exemplo.

Dentre os exames físicos que o fisioterapeuta fará, estão avaliações sobre sensibilidade, motricidade e dos reflexos tendinosos profundos dos membros inferiores, além do teste da função motora.

Além disso, há também o teste de elevação do membro inferior, denominado sinal de Lasègue.

Esse é um exame importante para ajudar no diagnóstico de compressão do nervo ciático.

Com o paciente deitado de costas e pernas esticadas, o profissional eleva a perna, apoiando na região do tornozelo e também na região logo acima do joelho.

Assim, esse é um exame provocativo, ou seja, se produz uma ação para que se o nervo ciático estiver comprimido, o paciente sentirá dor imediatamente na região dos glúteos e na região posterior da coxa.

Caso ache necessário, pode ser solicitado um exame de imagem para complementar o diagnóstico, mas na grande maioria dos caso, apenas o exame fisico ja é suficiente.

A ressonância magnética é um dos exames mais indicados para verificar a presença de hérnia de disco ou outras causas de compressão nervosa.

No caso de pacientes que não podem se submeter a uma ressonância magnética, como é o caso de usuários de marca-passos, por exemplo, o exame de tomografia computadorizada pode ser um bom auxílio no diagnóstico.

Diagnóstico diferencial da lombociatalgia por hérnia de disco

Existem algumas outras condições que podem apresentar sintomas semelhantes à lombociatalgia, mas que não são causadas por uma hérnia de disco. Assim, é necessário realizar o diagnóstico diferencial entre elas.
Dentre essas condições, podemos citar:

1 – Síndrome do piriforme

O músculo piriforme é um músculo localizado na região glútea e que pode ter uma contração prolongada, devido a hábitos posturais incorretos ou atividades que geram essa contração.

Esse tipo de quadro é bastante comum em praticantes de atividade física como os ciclistas ou em indivíduos que passam muito tempo sentados.
Nesses casos, os pacientes apresentam dor na região dos glúteos, mas que não envolvem hérnia de disco. É somente o músculo piriforme que está contraído.

​ 2 – Sacroileite

Quadro no qual há inflamação nas articulações do sacro. A dor, embora esteja presente na região glútea, irradia de forma diferente para outras partes do corpo.

No caso da sacroileíte, há irradiação da dor, mas que não atinge a perna, menos ainda a região próxima ao pé.

Tratamento

Pacientes com lombociatalgia geralmente procuram o fisioterapeuta ou tratamento ortopédico de urgência em função de uma crise aguda de dor.

Dessa forma, primeiramente, é ideal tirar o paciente da crise de dor, para que ele possa então se dedicar a um tratamento a longo prazo das causas da lombociatalgia.

Em casos agudos de dor, o médico ortopedista poderá prescrever analgésicos e anti-inflamatórios específicos.

No caso, é importante citar que a automedicação nunca é uma ação ideal. Portanto, é indicado passar pelo médico para saber exatamente qual medicamento é ideal para você.

Inclusive, há medicamentos que não são ideais para o tratamento desse tipo de quadro.

Muitos casos de lombociatalgia podem ter resolução espontânea, ou seja, a dor desaparece sozinha, quando a compressão do nervo ciático é desfeita.
Não há estudos que demonstrem que o repouso é essencial para a melhora do quadro.

A fisioterapia pode ajudar muito a melhora do quadro. Isso porque a fisioterapia possui medidas analgésicas, que ajudam a reduzir a inflamação local, auxiliando na descompressão nervosa.

Uma abordagem convencional na fisioterapia envolve o aumento lento da mobilização dos segmentos da coluna lombar por meio de exercícios, melhorando a postura e fortalecendo os músculos que estabilizam a coluna vertebral e pelve.

Essa abordagem pode ajudar a acelerar a recuperação, sobretudo em caso de traumas na região. Em adição a isso, alguns estudos sugerem que essa abordagem é superior ao simples repouso na fase aguda da dor causada por compressão do nervo ciático.

Outros medicamentos, como os relaxantes musculares, podem provocar alívio quando prescritos.

A longo prazo, são necessários exercícios de fortalecimento para a região.

Como prevenir a lombociatalgia?

Não há uma prevenção específica para a lombociatalgia, mas sim medidas que podem prevenir o surgimento de qualquer problema de origem na coluna vertebral.

Assim, algumas medidas são importantes.

​ 1 – Não ficar longos tempos sentados

Pessoas que têm atividades que demandam ficar sentados por tempo prolongado devem fazer pausas, para se movimentar e investir em alongamentos laborais.

Assim, a musculatura da região lombar, glúteos e pernas, não ficará contraída durante muito tempo, o que pode minimizar a chance de o nervo ciático ser comprimido.

2 – Cuidado ao carregar/levantar peso

Muitas pessoas, ao tentar levantar algum peso, preferem curvar as costas, em vez de flexionarem os joelhos.

Com isso, a região lombar sofre grande impacto, sendo responsável pelo peso a ser levantado.

Quando esse movimento é feito de forma errônea repetidas vezes, a tendência é a região lombar sofrer problemas a longo prazo.

Outro cuidado é ao carregar peso. De fato, mulheres têm a tendência a carregarem bolsas, apoiadas em um único ombro e com grande peso.
Assim, a coluna fica desviada, com a musculatura contraída, o que pode também gerar dores.

3 – Invista em mobilidade e fortalecimento da região

Caso você já tenha tido algum episódio de dor na região lombar, seja por compressão do nervo ciático ou outras razões, é importante investir em mobilidade e fortalecimento muscular adequado.

Há pessoas que vivem com hérnias de disco por muitos anos sem nunca terem manifestado um episódio de dor sequer. Já outros, têm a qualidade de vida fortemente impactada pelas hérnias.

Assim, é importante investir em tratamento adequado para evitar crises a longo prazo.

MANTENHA-SE ATIVO!

​ 5 – Não exagere no treinamento

Alguns exercícios, tais como musculação e Crossfit, por exemplo, tendem a sobrecarregar a coluna, caso haja treinamento em excesso.

Embora seja um exercício aeróbico extremamente saudável, o ciclismo também pode vir a causar problemas de compressão no nervo ciático, sobretudo se há treinamento excessivo e não há fortalecimento muscular adequado.

Portanto, se houver sinal de dores na região, diminua o ritmo de treinos e foque em fortalecimento adequado.

A importância da fisioterapia

Qualquer problema de origem na coluna vertebral tem, na fisioterapia, um forte aliado.

Além das manobras para melhora de dor, há também inúmeros exercícios e alongamento, os quais propostos pelo fisioterapeuta, podem ajudar a relaxar a região.

No caso de hérnias de disco ou protrusão discal, a fisioterapia auxilia com exercícios de fortalecimento e exercícios posturais.

Assim, são minimizadas as chances de crises agudas de dor.

Conclusão

A lombociatalgia é uma dor na região lombar causada por hérnia de disco ou outras razões.

O diagnóstico adequado é importante e o tratamento na maioria dos casos é conservador.

A fisioterapia é fundamental no tratamento de lombociatalgias agudas, bem como aliviando a compressão e ganhando mobilidade e força muscular, trazendo muitos benefícios à qualidade de vida do paciente.

Por último, não deixe de buscar diagnóstico e tratamento adequado com um especialista.


Voltar ao Blog

Veja outras postagens

Tratamento de Tendinite De Quadril

Tratamento de Tendinite De Quadril

Continuar lendo
Fisioterapia na Artroplastia de Quadril

Fisioterapia na Artroplastia de Quadril

Continuar lendo
Bico de Papagaio: Causas, Sintomas e Tratamento

Bico de Papagaio: Causas, Sintomas e Tratamento

Continuar lendo
Whats -55 11 9 9274.3707