Blog

Artrose de Tornozelo – Fisioterapia

Artrose de Tornozelo – Fisioterapia

O tornozelo é uma complexa articulação e quando essa articulação é acometida por dor, limitação de movimento, pode-se ter um quadro de artrose de tornozelo.

Mas, afinal, o que é a artrose de tornozelo? Como ela surge? Como é realizado o seu diagnóstico e quais são as opções de tratamento? É possível melhorar a vida de um paciente com artrose de tornozelo?

Vamos tratar dessas questões! Confira!

O que é artrose de tornozelo?

Artrose é o desgaste da cartilagem de uma articulação. Ou seja, um quadro de artrose pode acontecer em qualquer articulação que tem cartilagem: joelho, ombro e também, no tornozelo. Cerca de 15% da população apresenta artrose em alguma articulação dos membros inferiores.

Inicialmente, um paciente com artrose no tornozelo começa a manifestar dor e rigidez na região. Assim, começa a ficar difícil a execução das atividades diárias.

Em muitos casos, o paciente não leva a sério o quadro e tenta, ele/ela próprio (a) “resolver” o quadro, com analgésicos. Porém, a automedicação nunca é recomendada e o paciente, com isso, não trata a doença.

Isso leva a progressão do quadro e maior perda da mobilidade. Conclusão: o paciente vai progressivamente sentindo mais dor, a articulação vai ficando mais rígida e a mobilidade piorando cada vez mais.

Daí a importância de buscar um diagnóstico adequado, quando surgir dores em articulações, que dificultam a mobilidade, e não automedicar-se, esperando que isso resolverá o quadro.

Causas de artrose de tornozelo

A principal causa do desenvolvimento de artrose na região do tornozelo é uma fratura, tenha ela sido operada ou não. Porém, não é a única causa.

Assim, outras causas também podem resultar em artrose, tais como instabilidade crônica do tornozelo ou artrite reumatoide, por exemplo.

Dessa forma, quando se compara a artrose do tornozelo a outras formas de artrose em demais articulações, essa diferença é encontrada: artrose no quadril ou joelho, por exemplo, tem origem primária, ou seja, não tem relação com trauma na articulação.

Pacientes de determinados grupos têm sido relacionados a números mais elevados de artrose. É o caso de pacientes com sobrepeso, diabetes e hipertensão. Destes fatores, o que mais contribui para o surgimento da osteoartrose é a obesidade. Daí a importância de se também conversar com o paciente sobre a importância de manter-se no peso adequado, para evitar a progressão da doença.

Sintomas

  • Dor no tornozelo, podendo, inclusive ser durante o repouso;
  • Edema;
  • Dificuldade de movimentação da articulação;
  • Rigidez articular.

Diagnóstico de artrose no tornozelo

Para o diagnóstico, é necessária a avaliação de um médico ortopedista. O profissional escutará o paciente, colhendo informações sobre o histórico da doença.

Questões como “há quanto tempo dói?”, “como começou a dor?”, “houve algum episódio traumático no tornozelo antes de começar essa dor?”, “dói só quando movimenta ou em repouso também?”, “você tem alguma doença crônica?”, são bastante importantes.

Além disso, o ortopedista perguntará especificamente sobre o histórico de fraturas ou de torções do tornozelo.

Após as perguntas iniciais, o médico ortopedista avaliará a articulação em si e sua amplitude de movimento.

Exames de imagem

Exames de imagem serão solicitados. Afinal, com os exames de imagem, é possível definir um diagnóstico, confirmando a hipótese diagnóstica inicial, bem como avaliar o grau de comprometimento da articulação, traçando o plano de tratamento.

Dentre os exames de imagem a serem solicitados, pode-se citar: radiografia com carga de tornozelo e pé, tomografia computadorizada e ressonância magnética.

De fato, as radiografias costumam ser os exames de imagem iniciais, pois, permitem a observação de fraturas ósseas. Além disso, nas radiografias é possível observar as superfícies ósseas, o espaço articular e se há diminuição desse espaço.

Outras informações importantes podem ser extraídas das radiografias, como alinhamento tornozelo-pé e também a presença de osteófitos.

No entanto, em casos mais desafiadores ou que já sofreram algum tratamento, tanto a tomografia quanto a ressonância são opções de exames de imagem com mais detalhes.

A tomografia computadorizada permite analisar deformidades articulares e a ressonância magnética também oferece mais detalhes da artrose, sobretudo em casos incipientes.

Tratamento da artrose do tornozelo

Existem diferentes opções de tratamento para a artrose no tornozelo. Mas, a indicação de um tipo ou outro de tratamento dependerá do grau de comprometimento da articulação, amplitude de movimento, bem como estado geral de saúde do paciente.

Pode-se dividir o tratamento para a artrose em tratamentos conservadores (não-cirúrgicos) e tratamentos cirúrgicos.

A princípio, procura-se indicar um tratamento conservador, que visa diminuir a dor sentida pelo paciente, diminuição do edema e melhora da mobilidade. Porém, o tratamento conservador costuma dar resultados mais positivos quando a lesão ainda está em estágio inicial, com comprometimento articular pequeno.

Outro fator bastante importante no tratamento conservador é a aderência do paciente. É preciso orientar o paciente sobre a importância do tratamento completo, incluindo sessões de fisioterapia.

Tratamento conservador

Inicialmente, o médico ortopedista prescreverá analgésicos e anti-inflamatórios específicos para a lesão no tornozelo. Assim, o objetivo é diminuir a dor e o edema apresentado.

É fundamental entender que a artrose já presente não pode ser revertida. Ou seja, o objetivo do tratamento conservador é estacionar o desenvolvimento da doença, evitando sua progressão e maior destruição da articulação do tornozelo.

Fisioterapia no tratamento conservador da artrose do tornozelo

A fisioterapia é parte integrante do tratamento conservador da artrose do tornozelo. Dessa forma, o profissional de fisioterapia montará um plano de tratamento para o paciente, que inclui manobras analgésicas, exercícios de fortalecimento e melhora da estabilidade da articulação.

Palmilhas

A confecção de palmilhas individualizadas também pode fazer parte do tratamento conservador de artrose do tornozelo. O objetivo das palmilhas é a proteção da articulação, fazendo com que o tornozelo receba menos impacto e que o impacto seja direcionado da maneira correta.

Para pacientes com pequenos desalinhamentos, o uso de palmilhas pode ajudar bastante. Mas, aqui vale um adendo: as palmilhas devem ser prescritas por um profissional e individualizadas, para o caso específico do paciente.

Palmilhas vendidas de maneira geral têm pouca eficácia na melhora do quadro, pois não são feitas respeitando as individualidades do paciente.

Infiltrações medicamentosas

As infiltrações podem provocar alívio de quadros agudos de dor. Dentre os medicamentos que são usados para infiltrações estão os corticoides, o ácido hialurônico e o plasma rico em plaquetas.

Os corticoides são medicamentos com forte ação anti-inflamatória. No entanto, esses medicamentos são fortes, podem resultar em efeitos colaterais, não possuem ação a longo prazo, com ação que dura no máximo por 30 dias, embora forneçam um alívio imediato da dor.

Já o ácido hialurônico é uma substância feita pelo próprio organismo. Portanto, quando há infiltração de ácido hialurônico não há risco de rejeição. O objetivo da infiltração de ácido hialurônico é reduzir a inflamação, lubrificando a articulação. Porém, seus efeitos também não são considerados a longo prazo, nem possuem efeito forte na redução da dor.

E por último, o plasma rico em plaquetas quando infiltrado pode gerar um efeito de até 6 meses. Estudos mostram que o plasma rico em plaquetas pode ser considerado um tratamento regenerativo emergente para a degeneração causada pelo osteoartrite. [1]

Outro benefício demonstrado pela infiltração do plasma rico em plaquetas é estimular a proliferação da cartilagem.

Tratamento cirúrgico

Em casos em que já houve maior progressão da doença, a cirurgia pode ser uma opção de tratamento. A avaliação da necessidade de cirurgia como parte do tratamento de artrose no tornozelo deve ser feita por um médico cirurgião ortopédico.

Dentre as opções de procedimentos cirúrgicos, existe a cirurgia de preservação articular, a cirurgia de artrodese e cirurgia para substituição articulação, com a colocação de próteses, sendo essa última denominada artroplastia do tornozelo.

Cirurgia de preservação articular

Feita quando as estruturas não estão severamente comprometidas. Assim, pode-se optar pelo uso de parafusos, para manutenção do osso, que geralmente é também tratado e regularizado.

Artrodese

Artrodese significa a fixação de dois ossos entre si. É uma opção geralmente escolhida para pacientes mais jovens, devido à sua durabilidade. Mas, vale lembrar que o movimento pode ser bastante afetado nesse tipo de cirurgia.

Artroplastia do tornozelo

Na artroplastia do tornozelo, se utiliza uma órtese (prótese metálica), a qual permitirá o movimento da articulação.

O ideal é que essa cirurgia seja feita em pacientes com baixa demanda de atividade física, bem como baixo peso corporal, com idade por volta dos 50 anos.

Contraindicações

Pacientes com determinadas condições tornam-se contraindicados para a realização da artroplastia do tornozelo.

  • Pacientes com diabetes, com uso crônico de insulina;
  • Uso crônico de corticoides;
  • Trauma prévio no tornozelo, com deformidades ósseas severas;
  • Osteoporose ou osteopenia considerável;
  • Obesidade;
  • Alcoólatras ou fumantes;
  • Praticantes de atividades físicas com alta demanda para a articulação, como corredores ou praticantes de tênis;
  • Infecções ósseas recentes.

Daí a importância da avaliação do paciente como um todo pelo médico cirurgião ortopédico, sobretudo das condições gerais de saúde do paciente, antes da indicação da cirurgia.

Pós-operatório

Após a cirurgia no tornozelo, o paciente ficará com a articulação imobilizada por um período e iniciará, quando autorizado, o tratamento fisioterápico. Medicações analgésicas, anti-inflamatórias e antibióticos são prescritos após o procedimento cirúrgico.

Em geral, o paciente manterá o tornozelo imobilizado e suspenso por um período de 20 a 30 dias após a cirurgia, até a remoção dos pontos.

No entanto, a imobilização deve ser retirada duas vezes ao dia, para que o paciente consiga movimentar o tornozelo. Depois, a imobilização deve ser recolocada.

Vale lembrar que a movimentação inicial é orientada e acompanhada por um fisioterapeuta.

Dessa forma, o tempo de recuperação pode ser em torno de 3 a 5 meses. Em pacientes com boas condições de saúde, em 6 meses, já há o retorno às atividades regulares.

Fisioterapia após artroplastia de tornozelo

A fisioterapia tem como objetivo após um procedimento cirúrgico de artroplastia de tornozelo retornar aos poucos a movimentação do tornozelo, sem sobrecarregar as estruturas recém-operadas.

Assim, o plano de tratamento fisioterapêutico incluirá as seguintes etapas:

  • Reeducação proprioceptiva;
  • Treino de marcha;
  • Treino de subir e descer escadas;
  • Exercícios funcionais;
  • Equilíbrio;
  • Exercícios com faixa elástica;
  • Transferência de peso;
  • Alongamentos.

No início, o paciente poderá fazer até 3 sessões semanais de fisioterapia. À medida que o tempo for passando e a recuperação avançando, as sessões podem virar 2 vezes por semana, até o paciente ter alta médica.

Prevenção de artrose do tornozelo

A prevenção de artrose do tornozelo pode retardar o aparecimento da lesão, ou mesmo impedi-la que progredir. Em muitos casos, ações simples contribuem significantemente para que a artrose não acometa os tornozelos.

Manter-se dentro do peso ideal

A obesidade e o sobrepeso representam muita sobrecarga em qualquer articulação. No caso dos tornozelos, eles já recebem todo o peso do corpo. Portanto, em um indivíduo acima do peso, a sobrecarga nos tornozelos será muito maior.

Assim, procure sempre se manter dentro do seu peso ideal, para sua idade e altura.

Usar sapatos adequados

A utilização de calçados inadequados pode trazer danos não somente aos pés, como também aos tornozelos. Assim, escolha sempre calçados de tamanho apropriado e com bom nível de amortecimento.

Caso já apresente algum problema, a utilização de palmilhas adequadas, feitas por profissionais, também são boas opções para evitar futuros problemas com o desalinhamento.

Exercícios para os tornozelos

Alongamentos e exercícios para relaxamento das articulações são boas opções, sobretudo para quem fica muito tempo de pé ou então, faz atividades de alto impacto de maneira frequente, como corrida, por exemplo.

Consultar-se com um profissional

Ao apresentar dor ou edema na região dos tornozelos, busque diagnóstico adequado. Lembre-se que a artrose no tornozelo não é causa primária, sendo geralmente consequência de um trauma ou outros problemas.

E que também um quadro que não é devidamente cuidado pode progredir, levando a mais problemas no futuro. Por isso, busque consultar-se com um profissional, para se ter o diagnóstico adequado e também evitar a progressão do quadro.

Fazer fisioterapia

A fisioterapia é importante aliada para evitar a piora do quadro de artrose.

  1. Referência

[1] Freire, MRM et al. Efeito comparativo entre a infiltração de plasma rico em plaquetas e o uso de corticosteroides no tratamento de osteoartrite do joelho: Estudo clínico prospectivo e randomizado. Rev Bras Ortop. 2020;55(5):551-6.


Voltar ao Blog

Veja outras postagens

Epicondilite: Fisioterapia como Tratamento

Epicondilite: Fisioterapia como Tratamento

Continuar lendo
Cervicobraquialgia: O que é, Causas e Sintomas

Cervicobraquialgia: O que é, Causas e Sintomas

Continuar lendo
PILATES: Benefícios para a saúde do corpo e da mente

PILATES: Benefícios para a saúde do corpo e da mente

Continuar lendo
Whats -55 11 9 9274.3707
Abrir bate-papo
Olá 👋
Marque uma consulta agora pelo WhatsApp!