Blog

Bursite de Quadril, O Que É?

Bursite de Quadril, O Que É?

A bursite de quadril ou bursite trocantérica, é uma afecção que acomete a bursa que envolve a articulação do quadril. 

Você pode estar se perguntando o que é bursa. 

Bem, esse nome se refere a nada mais do que uma bolsa de tecido que protege a articulação do atrito entre o osso e os tendões e músculos. Essas bolsas são compostas por um líquido, chamado de líquido sinovial, que quando inflama causa muita dor e prejudica a função do membro. 

O tratamento para esse problema envolve em especial, exercícios acompanhados por um profissional de fisioterapia, além de medicamentos para controle da dor e melhora da inflamação.

Esse artigo vai tentar esclarecer de forma pormenorizada um pouco mais acerca da Bursite de Quadril, suas causas, sintomas e tratamento. Veja a seguir!

Bursite 

A Bursite é um problema que surge devido a inflamação da bolsa sinovial, cuja função é amortecer, e auxiliar no deslizamento dos tecidos e sua nutrição.

Em geral, essa afecção surge pelo uso excessivo e crônico das articulações, mas também pode advir de outras causas como um problema adjacente, como traumas ortopédicos, processos reumatológicos, e outros.

Nem sempre o médico irá conseguir determinar de fato o que levou ao surgimento da doença. Importa ainda mencionar que ela pode afetar diversas partes do corpo, como joelho, ombro e o quadril, como veremos adiante.

Bursite no Quadril

É bem provável que você já tenha ouvido falar de bursite no quadril, ainda que você não tenha o problema, ou não sabe que tem.

A inflamação é uma das principais causas de dor nas articulações, e pode causar certa dificuldade de movimentos, que vai se agravando se o problema não for tratado.

Felizmente, o tratamento escolhido para a bursite é, na maior parte das vezes, conservador. Logo, a doença pode ser eliminada com fisioterapia, por meio de dedicação a atividades físicas específicas e exercícios localizados. 
Neste texto, listamos tudo sobre essa condição. Descubra o que é o problema, suas causas, sintomas e principalmente como tratá-lo.

A bursite no quadril é uma condição que acomete em geral pessoas sedentárias ou que permanecem sentadas por muito tempo. O que não exclui a incidência do problema também em outros tipos, como corredores e praticantes de atividades com movimentos repetitivos do quadril.

A inflamação que acomete a bursa afeta o bom funcionamento da função desta, causando o atrito nas articulações e ainda muita dor. Como dissemos, essa inflamação pode acometer outras articulações, em especial as mais utilizadas, por isso, o cuidado é sempre primordial quanto ao ritmo que se leva diariamente com o uso das mesmas, desde uma caminhada leve, ou mesmo a postura e constância de certas posições.

Se você pratica esportes como corridas, ou atividades diárias que exigem repetições contínuas de movimento, ou mesmo se você permanece sentado durante um longo período de tempo ao longo do dia, esse texto é para você.

ANATOMIA DO QUADRIL

O quadril é um membro essencial do corpo humano, ele proporciona toda a movimentação inicial, além de dar sustentação ao tronco.  Os membros inferiores transmitem a força para o movimento dos membros superiores por meio dos quadris.

Assim, durante uma caminhada é ele que promove o equilíbrio geral e conduz a força aos membros do corpo.

O quadril tem ainda a função de manter o tronco, com todos os membros que o compõe no seu devido lugar. Na sua perfeita condição este deve ser capaz de movimentar em um ângulo 120° de flexão e 20° de abdução e rotação externa.

O quadril é composto por duas articulações, uma do lado direita e a outra do lado esquerdo, ligadas pelo osso pélvico e com a coluna vertebral pelas articulações sacroilíaca e lombossacral.

Em torno dessas articulações existem estruturas semelhantes a pequenas bolsas de tecido conjuntivo, onde se localiza o líquido sinovial, essas bolsas são chamadas de bursas ou bolsas sinoviais.

As bursas ficam posicionadas entre músculos, tendões e ossos, e estão ali exatamente para amortecer o impacto entre uma estrutura e outra, reduzindo o atrito.

Imagine um amortecer, bem, é exatamente essa a função. Quando nos movimentamos esses músculos, tendões e ossos começam a se movimentar juntos, bem onde chamamos de juntas, havendo um atrito entre eles em cada mínimo movimento que fazemos.

Por exemplo, quando nos abaixamos e levantamos o movimento de flexão do joelho causa um atrito entre os componentes dessa articulação, caso não houvesse essa proteção de impacto trazida pelas bursas, nossas articulações se desgastariam e sentiríamos dores constantes, ao ponto de não podermos se quer nos mexer.

Essas bolsas de líquido estão espalhadas por todo o nosso corpo, e a inflamação de qualquer uma delas é chamada de bursite.

FATORES DE RISCO PARA A BURSITE NO QUADRIL 

Quando se fala em bursite no quadril alguns fatores de risco devem ser observados com atenção. E aqui chamamos a atenção das mulheres, uma vez que a predominância do problema se faz maior em vítimas mulheres. A explicação para esse fator se deve à biomecânica do quadril feminino que difere muito da dos homens.

Em geral, a inflamação acomete toda a região do quadril, motivo pela qual a dor se torna mais intensa e irradia para outros locais.

Consideramos os seguintes fatores de risco para a bursite do quadril: 

Lesão por estresse repetitivo (overuse). Esse tipo de lesão pode ocorrer durante corridas, ao subir escadas, ao andar de bicicleta ou por ficar em pé por longo período de tempo. Essa sobrecarga colocada no membro causa a inflamação das bursas e consequentemente o surgimento do problema;

Lesão no quadril. Qualquer lesão que acometa a extremidade do grande trocânter (porção lateral do osso do fêmur), comum, uma vez que pode advir de um acidente simples, desde uma queda ao solo sobre o quadril, um bate lateral em uma mesa por exemplo, ou mesmo se o indivíduo permanecer deitado sobre o mesmo lado por um tempo prolongado;

Doenças da coluna. Aqui podemos citar escoliose, artrite da coluna lombar (inferior) e outras. Esses problemas afetam toda a questão postural do indivíduo, e como o quadril é um membro essencial aqui acaba sendo substancialmente afetado também;

Desigualdade de membros inferiores. A diferença de cumprimento enre uma perna e outra afeta a postaura e o caminhar do indivíduo, levando a irritação de uma das bursas do quadril;

Cirurgia anterior. Cirurgias que envolvem a região do quadril, incluindo as de implante de prótese podem deixar a região irritada, levando a inflamação;

Esporão ósseo ("bicos de papagaio"). Pode desenvolver-se nos tendões que ligam ao trocânter, irritando a bursa e causando mais inflamação;

Causas da Bursite de Quadril

A bursite no quadril pode ser desencadeada pela sobrecarga dos tendões e das bursas, geralmente advinda de atividades físicas intensas ou exercícios com movimentos repetitivos. Mas de outro lado, também pode ocorrer devido a situações de fraqueza muscular, e neste caso, atividades leves podem levar ao surgimento do problema.

Existem doenças que também são um fator de risco para o desenvolvimento deste problema, como:

doença na coluna lombar,
doença na articulação sacroíliaca;
artrite reumatóide;
artrose no joelho;
gota;
diabetes;
infecção por Staphylococcus aureus e;
escoliose.

Há ainda fatores genéticos, em geral os que afetam o caminhar do indivíduo, ocasionando a sobrecarrega das bursas e dos tendões desencadeando a síndrome.

Sinais e Sintomas

Talvez você já tenha sido acometido por uma forte dor na região do quadril e sentido dificuldade de locomoção do membro. Em geral não nos preocupamos com isso, mas deveríamos.

Os sintomas mais comuns que podem ocorrer durante uma bursite no quadril são:

Dor na região lateral do quadril que pode aumentar de intensidade quando se está muito tempo de pé ou deitado de lado;
Dor ao toque;
Inchaço;
Dor que irradia para a coxa.

Caso você apresente algum desses sintomas, é importante se atentar e buscar um tratamento adequado, uma vez que a bursite quanto não tratada, pode se tornar crônica, sendo cada vez mais difícil de tratar e de controlar os sintomas.

Diagnótico da Bursite de Quadril

O diagnóstico dessa condição é feito por um fisioterapeuta. O que não exclui a passagem por um clínico que poderá te direcionar ao especialista.

Contudo, é este último quem saberá como proceder perante os sintomas e poderá dar um parecer efetivo sore qual condição está te afetando realmente.

Em relação à bursite trocantérica, o diagnóstico inicial é feito em especial com base nos sintomas e na condição da região afetada. O médico irá trabalhar em cima do histórico de saúde do paciente e exame físicos e de imagem, com vistas a eliminar ou identificar fatores que possam não estar visíveis.

Quando falamos aqui em fatores não visíveis, nos referimos a casos assintomáticos, onde o indivíduo apresenta alterações sugestivas de bursite nos exames de imagem, mas não apresenta nenhum sintoma clínico.

Radiografias de quadril e lombar podem evidenciar uma ou mais circunstâncias musculoesqueléticas associadas ao problema, ainda que não seja um exame específico para essa condição.

Outros exame que podes ser utilizados são a cintilografia, por meio do qual o médico poderá perceber uma hipercaptação na região do trocânter, e a ressonância magnética.

Este último é valioso neste processo, uma vez que pode oferecer informações valiosas a respeito de outros problemas como 
 
Outras Doenças no Quadril; 
Lesões na Cartilagem; 
Fratura de Estresse; 
Necrose Avascular; 
Osteoartrose; 
Lesões Musculares; 
Osteodistrofia.

Isso ajuda na assertividade do diagnóstico, garantindo uma ação mais precisa do profissional no tratamento adequado.

TRATAMENTO DA BURSITE DE QUADRIL 

O tratamento indicado para a bursite do quadril é em geral o convencional, com o auxílio de anti-inflamatórios não esteroides associados a repouso e fisioterapia, onde se utilizam exercícios focados na reabilitação do membro.

A fisioterapia é o processo que vai desde a identificação da doença, até o seu tratamento e aprimoramento das capacidades físicas e funcionais do paciente. Buscando restaurar a função física do membro afetado, trazendo assim, qualidade de vida ao paciente.

O Fisioterapeuta é um profissional habilitado que poderá te auxiliar caso seja acometido pelo problema, atuando tanto na construção do diagnóstico como na prescrição das condutas a serem tomadas para combatê-lo.

O profissional de fisiotarapia irá te acompanhar desde o primeiro momento, observando a sua evolução e tão logo o processo de alta.

Os tratamentos mais utilizados para a bursite trocantérica são:

Crioterapia: Esse tratamento tem como base a utilização do frio para reverter quadros de disfunções inflamatórias e traumáticas, onde a aplicação de bolsas e compressas frios leva a diminuição do edema e indução do relaxamento muscular.

Esse relaxamento se dá pelo aumento da atividade neurovegetativa simpática causado pela ação do frio nas veias sanguíneas, chamada de vasoconstrição.

Termoterapia: ao contrário da crioterapia, esse processo é baseado na utilização do calor no tratamento.  Muito utilizado no processo de reabilitação a área afetada é exposta ao calor, que pode ser de origem química, elétrica, magnética e mecânica.

Essa exposição causa o aumento da agitação molecular e metabólica e consequentemente age no foco da dor, trazendo alívio e melhora na movimentação do membro.

Terapia contra-irritativa (TENS) é um processo que trabalha a estimulação  elétrica  transcutânea  analgésica  de  baixa  frequência, que deve ser associada  a outro método, geralmente o  ultra-som  ou  gelo.

Eletroacupuntura:  um método muito similar ao método anterior, o TENS, mas com métodos da acumputura clássica, combinando a estimulação dos pontos por meio de impulsos elétricos. A Eletroacupuntura auxilia na redução do espasmo muscular, melhorando a circulação periférica local e estimulando o processo de cura.

Isso não exclui outras possibilidades, assim, o profissional de fisioterapia irá propor o melhor tratamento a partir de uma análise quanto aos sintomas apresentados pelo paciente:

Em caso de dor localizada (tender points), podem ser indicados:

laser, 
tens, 
massoterapia

Em caso de fadiga, programas de condicionamento físico 
 
E para as dores como dores musculoesqueléticas difusas, cefaléia crônica, rigidez matinal, parestesias indica-se:  
 
exercícios globais, e 
exercícios de alongamento.

Os exercícios de baixa intensidade são os mais indicados, porém visando um resultado mais significativo a longo prazo. No caso de recursos como tens, eletroacupuntura, crioterapia, terapia manual e outros, os efeitos podem ser observados em um período mais curto de tempo.

EXERCÍCIOS PARA BURSITE DE QUADRIL 

Os exercícios indicados para bursite de quadril visam fortalecer a musculatura do membro e propiciar a sua recuperação. Os mais indicados para casos de bursite de quadril são:

Exercícios de Fortalecimento

Fortalecimento de extensores de quadril

Fortalecimento de abdutores

Fortalecimento de flexores de quadril

Exercícios de Alongamentos

Flexores de quadril

Extensores de quadril

Adutores de quadril

Abdutores de quadril

Exercícios estabilizadores de quadril

Glúteos em 4 apoios

Ponte unilateral

Todos esses exercícios devem ser executados com o auxílio de um profissional de saúde especializado. A execução errada dos movimentos pode piorar a situação do paciente ou causar problemas graves de saúde.

Se você está se questionando se vale a pena ou não apostar no auxílio de um fisioterapeuta, para qualquer problema relacionado, e mais ainda para casos de bursite, a resposta é uma só.

O tratamento fisioterapêutico fisioterapia tem importante papel na diminuição do impacto dos sintomas do problema na vida dos pacientes. Imagine você ter que conviver com uma dor localizada no seu quadril, que te impede de praticar ações rotineiras diárias.

O profissional por meio de várias abordagens terapêuticas, saberá qual a melhor ação a ser tomada e os melhores métodos a serem aplicados em cada caso, buscando a melhorando da capacidade funcional do membro e contribuindo para a manutenção da qualidade de vida do paciente.

É importante compreender que o resultado do tratamento está condicionado à resposta biológica de cada paciente, ou seja, o seu organismo pode reagir de uma forma e o de outro paciente de outra, assim, você pode ter resultados mais satisfatórios em menos tempo e vise e versa.

É recomendado que o paciente retorne ao especialista para reavaliações com um período mínimo 3 meses.

Em geral, o tratamento conservador e menos invasivo tem grandes resultados na recuperação, porém, pode ocorrer de um paciente não se recuperar totalmente, continuando a ter desconforto, mesmo após todas medidas propostas. Nesses casos, o fisioterapeuta poderá indicar o tratamento cirúrgico para a correção dos problemas.

POR QUE PROCURAR UM FISIOTERAPEUTA PARA TRATAR A BURSITE DE QUADRIL? 

Quando damos ênfase a bursite de quadril, se deve ao fato deste ter um papel essencial em grande parte das atividades diárias dos indivíduos.

Sendo a articulação base, a partir da qual a movimentação do corpo é iniciada e executada.

Lesões e doenças do quadril podem ser extremamente incapacitantes. Muitas estruturas podem refletir dor no quadril e na virilha e os sintomas são muitas vezes confusos para o paciente e desafiadores não estando aparente para o paciente. As áreas do quadril e pélvica são também locais comuns para dor referida.

O trabalho do fisioterapeuta tem como foco a prevenção e o tratamento das doenças dos ossos, músculos, articulações e ligamentos, tendo este um papel importante na identificação do local lesionado, ou que esta precisando de tratamento.

Por isso, complementando a pergunta inicial, o tratamento deve sempre ser feito com o auxílio de um profissional por que este poderá analisar os sintomas apresentados pelo paciente e descartar outros problemas que possam estar causando as dores e o desconforto na região.

Outrossim, existem muitas outras condições que podem levar ao surgimento de sintomas parecidos, a exemplo da sinovite transitória do quadril, causada pela inflamação do revestimento sinovial da articulação do quadril.

Esses sintomas sendo identificados pelos fisioterapeutas, servem como base para localização e identificação do problema, que algumas vezes pode não ter origem musculoesquelética e necessitar de intervenção especializada.

Como Prevenir Esse Problema?

Falamos sempre em prevenção por que, a melhor forma de combate a qualquer doença ainda é o cuidado antecipado. Confira abaixo, algumas dicas de prevenção as quais você esteja deve estar atento.

Os problemas de postura são fatores preponderantes para o surgimento da bursite trocantérica. Manter uma postura correta é primordial na prevenção de problemas que acometem a coluna, bem como das condições que subjacentes.

É comum a rotina diária exigir que passemos grande parte do dia sentados, e isso é um ponto muito delicado quando se trata de dores e problemas posturais. Se esse é o seu caso, atente-se para a sua postura ao longo do dia, procure manter os pés sempre apoiados no chão e permita que as coxas toquem o máximo de espaço do assento.

Evite estar sentado com as pernas cruzadas e procure manter a coluna ereta. Ainda que aqui estejamos nos referindo a uma rotina diária com longos períodos sentados, essa dica também pode e deve e aplicada ao caminhar.

Os móveis também devem estar adequados à sua altura, garantindo conforto e compatibilidade com o seu tamanho.

Como foi possível observar, o tratamento da bursite trocantérica inicialmente é totalmente fisioterapêutico e costuma ter resultados muito satisfatórios.

Após uma minuciosa avaliação, o fisioterapeuta tem como objetivo inicial diminuir a inflamação e a dor na região. Para isso costumamos indicar o laser que é um recurso extremamente eficaz na redução do processo inflamatório, além de recursos analgésicos como a terapia combinada.

A liberação da musculatura ao redor da articulação do quadril é de suma importância pois sabe-se que naturalmente há uma contratura na região dos glúteos e banda iliotibial, devido ao processo infamatório.

Em paralelo a isso tudo, já iniciamos o reequilíbrio muscular com exercícios de fortalecimento, mobilidade, equilíbrio e propriocepção.

Procure sempre um fisioterapeuta especializado e um atendimento individualizado para garantir o melhor resultado no tratamento. 

Agende uma avaliação com um dos fisioterapeutas da Cure Fisioterapia e Pilates (11)3078-3809 ou (11)99274-3707.  


Voltar ao Blog

Veja outras postagens

Hérnia De Disco: Causas, Sintomas e Tratamento

Hérnia De Disco: Causas, Sintomas e Tratamento

Continuar lendo
Luxação no Ombro: Causas, Sintomas e Tratamento

Luxação no Ombro: Causas, Sintomas e Tratamento

Continuar lendo
Fisioterapia para Dor Lombar

Fisioterapia para Dor Lombar

Continuar lendo
Whats -55 11 9 9274.3707