Blog

Tendinite do Supraespinhal/Infraespinhal: Causas, Diagnóstico e Tratamento

Tendinite do Supraespinhal/Infraespinhal: Causas, Diagnóstico e Tratamento

Quando se fala em tendinite, o conceito que imediatamente vem à cabeça é a inflamação do tendão. Mas, o termo mais comumente utilizado na comunidade científica é tendinopatia, o qual engloba todos os problemas relacionados aos tendões e não só a inflamação.

Nesse artigo, vamos falar das tendinopatias mais comuns no ombro, que são as tendinopatias supraespinhal e infraespinhal, razões bastante comuns para dores no ombro.

Tendinopatia supraespinhal

O que é tendinite supraespinhal?

A tendinite supraespinhal é a inflamação do tendão do músculo supraespinhal, localizado na região do ombro. É também chamada se síndrome do impacto do ombro, visto que seus sintomas são bem comuns em pessoas que fazem movimentos repetidos com os ombros.

No ombro, o músculo supraespinhal fica na região superior e é um dos quatro músculos que envolve o manguito rotador, estrutura muito importante para a movimentação do braço.

O tendão do músculo supraespinhal, quando comprimido, leva a dores no ombro, sobretudo em um grupo específico de pacientes, que fazem movimentos de rotação e elevação do braço de maneira mais constante.

Grupos de risco

Os grupos que tem mais risco de desenvolverem a tendinopatia supraespinhal são atletas, sobretudo de vôlei e natação, bem como trabalhadores que constantemente necessitam elevar os braços para executar sua atividade laboral.

Nesse caso, encontram-se trabalhadores de serviços de limpeza, por exemplo ou pintores de parede.

Esses grupos de pacientes têm alto risco de desenvolver o problema, que traz desconforto e dor.

Sintomas

Os principais sintomas da tendinite supraespinhal são:

  • Dor na região do ombro;
  • Dor para movimentar o braço, sobretudo em movimentos de elevação;
  • Limitação de movimento;
  • Dificuldades para executar atividades, as quais antes não havia tal dificuldade, que incluem colocar o braço para trás (ao vestir uma blusa, por exemplo).

Causas

As causas da tendinopatia supraespinhal estão diretamente relacionadas à curvatura do acrômio. Nessa região, o osso acrômio possui uma curvatura determinada. Porém, quando essa curvatura é muito acentuada, pode existir a formação de esporões ósseos.

Com o tempo e a constante atividade de atrito entre as estruturas óssea e o tendão, a tendinite surge.

Porém, outras causas também podem ser responsáveis pelo aparecimento do quadro de tendinopatia supraespinhal. Dentre elas, a falta de fortalecimento muscular da região do ombro e seu uso constante.

Assim, com uma musculatura enfraquecida, aliada à alta demanda, as forças na região ficam concentradas no tendão.

O tendão é uma estrutura fibrosa, pouco elástica que, quando recebe uma força desproporcional ou é acionado de maneira intensa de forma constante, tem a chance de inflamação bastante aumentada.

Assim, regiões com alta demanda de movimento, como ombro e joelho, por exemplo, são as regiões mais propícias a terem tendões inflamados, devido à alta demanda e falta de fortalecimento muscular da região.

Outros fatores como artrose da articulação também pode levar à redução do espaço subacromial, resultando na tendinopatia.

Por fim, qualquer pessoa que executa movimentos de elevação do braço acima da altura do ombro de forma constante pode estar sujeita à inflamação do tendão supraespinhal e com isso, desenvolvimento da doença.

Diagnóstico

O diagnóstico correto da lesão é essencial para que o tratamento seja instituído, quanto antes. De fato, quanto mais o paciente demorar em buscar diagnóstico e tratamentos adequado, maior o risco da complicação da lesão.

Assim, o médico ortopedista analisará o paciente, fazendo a simulação de movimentos com o braço afetado, para verificar a amplitude de movimento do ombro. Conforme a dificuldade de movimentação, fica mais clara a suspeita de tendinite supraespinhal.

No caso da tendinite do supraespinhal, existe um teste denominado teste de Jobe, bastante característico, no qual reproduz o movimento que causa a dor característica desse tipo de lesão.

Nesse teste, o médico fará uma resistência e o paciente tentará levantar o braço, com o dedo polegar para baixo. Ao ter dificuldades em realizar esse movimento ou apresentar dor, fica bastante característica a presença da tendinite do supraespinhal.

Mas, o médico poderá solicitar exames de imagem para confirmar a suspeita diagnóstica. Exames como ressonância magnética podem ser solicitados, para verificar o grau de dano ao tendão e se há ruptura do tendão supraespinhal.

Tratamento

O tratamento é baseado no diagnóstico e no grau de lesão ao tendão. Assim, em casos em que o tendão apresenta-se apenas inflamado, mas sem ruptura, o tratamento conservador é sempre a melhor escolha.

Com isso, o médico prescreverá analgésicos e anti-inflamatórios adequados, para minimizar o quadro de dor sentido pelo (a) paciente.

E com a medicação, é essencial que o paciente faça sessões de fisioterapia. Nessas sessões, ações analgésicas como a aplicação de gelo, bem como de eletroestimulação transcutânea (TENS) auxiliam o paciente a sair do quadro agudo de dor.

Além disso, o fisioterapeuta também fará um plano de tratamento individualizado, com exercícios focados na correção do desequilíbrio e fortalecimento da musculatura, tanto do ombro, como também das costas.

Tendinopatia supraespinhal tem que operar?

A cirurgia é sempre a última opção para casos de tendões com problemas e apresenta-se como uma alternativa para casos em que há ruptura do tendão.

A ruptura do tendão supraespinhal pode ocorrer em função de trauma ou então por uma lesão que não foi tratada adequadamente e evoluiu negativamente para a ruptura.

Nesses casos, existem diferentes técnicas cirúrgicas, podendo a cirurgia ser realizada em campo aberto ou por artroscopia.

Além disso, o profissional pode optar por suturar o tendão, de diferentes formas, conforme o quadro clínico apresentado e a experiência prévia do cirurgião.

Após a cirurgia, o paciente ficará com tipoia por algumas semanas. Esse tempo varia de acordo com a cirurgia feita e com o reparo feito no tendão.

É importante citar que o paciente, após a cirurgia, também deve se dedicar à fisioterapia, para iniciar a movimentação do ombro operado.

O que acontece se não operar o tendão supraespinhal com ruptura?

Muitas pessoas têm receio de operações, sobretudo quando envolve tendões. Mas, quando ocorre a ruptura do tendão supraespinhal, a cirurgia é a melhor opção. Isso porque, caso a cirurgia não seja feita, a tendência é o caso piorar, tornando-se mais difícil operar depois.

Quanto maior a ruptura do tendão, mais difícil é a cirurgia e pior é o prognóstico de reparação.

Além disso, a dor tende a piorar, tornando-se difícil até dormir.

O que fazer para evitar a tendinite no ombro?

Embora bastante comum, poucas pessoas adotam um plano de prevenção para tendinite da região do ombro. Geralmente, só lembram de procurar ajuda quando a tendinite já está instalada.

Mas, é possível prevenir o problema, com a adoção de algumas medidas simples.

  • Faça alongamentos diários dos braços e da musculatura dos ombros;
  • Opte por exercícios de fortalecimento da musculatura dos ombros e das costas, preferencialmente orientados por um profissional da fisioterapia, sobretudo se você faz parte dos grupos de risco;
  • Ao menor sinal de dor no ombro, procure um profissional da área médica para avaliar o caso e não se automedique;
  • Caso tenha recebido o diagnóstico de tendinopatia, faça o tratamento recomendado, para que a lesão não evolua.

Tendinite do infraespinhal

O tendão infraespinhal faz parte dos quatro tendões que compõe o manguito rotador: supraespinhal, infraespinhal, subescapular e redondo menor.

Esses tendões são essenciais para a estabilidade da articulação do ombro e auxiliam na movimentação do braço.

Assim, as causas, diagnóstico e tratamento da tendinopatia do infraespinhal são semelhantes às da tendinite supraespinhal.

A importância da fisioterapia para tendinite supraespinhal e infraespinhal

A fisioterapia é forte aliada no tratamento das tendinites, sejam elas no joelho, quadril ou ombro.

As tendinites e tendinopatias na região do ombro podem levar à limitação do movimento e quando não tratadas, podem evoluir para dores agudas graves, inclusive na hora de dormir.

Com isso, o paciente não consegue movimentar o braço direito e ainda não consegue ter alívio da dor na hora do sono.

Por isso, sempre que uma dor em uma articulação surgir e não desparecer em poucos dias, é hora de buscar diagnóstico adequado do problema e investir em sessões de fisioterapia.

Geralmente, a tendinite do supraespinhal e do infraespinhal surgem no braço de uso dominante. Ou seja, afeta mais o braço direito, por terem mais pessoas destras do que canhotas. Mas, pode afetar o braço esquerdo, bem como ser bilateral (nos dois braços).

Técnicas de fisioterapia para tendinite supraespinhal e infraespinhal

Após o diagnóstico correto, o paciente deve se encaminhar para a clínica de fisioterapia para o início do tratamento fisioterápico.

Assim, o profissional de fisioterapia avaliará o quadro e estabelecerá um plano de tratamento, conforme o quadro clínico presente.

Algumas técnicas de fisioterapia podem ser utilizadas para casos envolvendo tendinite dessas estruturas do ombro.

Alívio da dor

Quando o paciente surge com muita dor, o profissional pode optar pela aplicação de TENS, laser e ultrassom, que ajudam a diminuir a inflamação local.

O alívio da dor é essencial para que o paciente consiga participar das sessões de fisioterapia e também diminuir a carga de medicamentos que toma para controle da dor.

Embora muitas pessoas acreditem que somente a medicação analgésica e anti-inflamatória resolva, um quadro de tendinite só terá melhora completa quando a fisioterapia age. Caso contrário, a quantidade de medicação sempre será maior, até chegar um ponto que ela deixa de fazer efeito.

Evitar a retração da cápsula articular

Quanto maior a dor no ombro, maior a tendência do paciente em não movimentar o braço afetado. Mas, isso não fará a dor diminuir e contribuirá para um enfraquecimento ainda maior da musculatura do ombro.

Uma vez que a articulação não é movimentada, pode haver retração da cápsula articular, o que deixará o quadro clínico mais complexo. Assim, uma das funções da fisioterapia é evitar que isso possa acontecer.

Para isso, o profissional pode optar pela mobilização, que são movimentos orientados, no intuito de movimentar e estimular alguns músculos de forma específica.

Corrigir movimentos incorretos

Outra tendência de pacientes com tendinite é sempre executar os movimentos de maneira desequilibrada, com o objetivo de minimizar a dor.

Isso, de fato, pode levar à sobrecarga de outras estruturas ou até mesmo, fazer com que quadros de tendinite no outro braço surjam.

Auxiliar na recuperação do tendão

Quando o tendão encontra-se inflamado, uma série de medidas auxiliam na sua recuperação. Dentre elas, a ação de medicação anti-inflamatória e também ações e técnicas de fisioterapia, as quais promovem diminuição da inflamação local.

Dessa forma, o organismo pode reagir na reparação dos tecidos, sem que a inflamação leve a mais dor para o paciente.

Em pacientes que se submeteram à cirurgia devido à ruptura do tendão, a fisioterapia age de maneira centrada na recuperação, justamente para que o paciente possa, aos poucos, voltar a movimentar o braço.

Por isso, as sessões de fisioterapia no caso de pacientes operados para corrigir tendões rompidos são essenciais para que em algum tempo aquele paciente possa voltar a ter uma vida normal, com retorno do movimento que tinha antes da ruptura do tendão.

E com isso, deve-se sempre deixar claro que para pacientes muito resistentes às sessões de fisioterapia, que acreditam que a cirurgia é o caminho ideal, para não ter que passar pela fisioterapia, ela também é essencial no pós-cirúrgico.

Fortalecimento muscular

Por último, como parte de um plano de fisioterapia completo, o fortalecimento muscular ajuda a melhorar o quadro, bem como a não haver retorno da dor.

Obviamente, é sempre ideal estar atento ao retorno de dor, sobretudo em pacientes que já tiveram alta, retornaram à sua atividade, mas retornam com queixas de dor ao consultório.

Para esses pacientes, um programa específico de fortalecimento muscular é essencial, visto que somente o alívio dos sintomas não é suficiente para que o próprio organismo evite o reaparecimento do problema.

Conclusão

As tendinites supraespinhal e infraespinhal necessitam de diagnóstico adequado e tratamento, para não evoluírem para casos mais complexos, com ruptura dos tendões e cirurgia.

Com o diagnóstico correto, medicações e sessões de fisioterapia, o paciente conseguirá não sentir mais dor e ter uma vida normal, embora deve sempre permanecer atento para casos de retorno de dor.


Voltar ao Blog

Veja outras postagens

Fisioterapia Para Escoliose

Fisioterapia Para Escoliose

Continuar lendo
Studio Pilates no Itaim Bibi – Como Escolher?

Studio Pilates no Itaim Bibi – Como Escolher?

Continuar lendo
Fisioterapia na Espondilolistese

Fisioterapia na Espondilolistese

Continuar lendo
Whats -55 11 9 9274.3707
Abrir bate-papo
Olá 👋
Marque uma consulta agora pelo WhatsApp!